Geografia econômica

A geografia econômica é uma ramificação de estudo que possui diferentes abordagens. Aproveite para conhecer mais sobre esse assunto.

Geografia econômica, economia, geografia

A geografia econômica pode ser entendida como a área de conhecimento que tem como responsabilidade analisar e compreender a lógica da distribuição e produção das atividades econômicas em geral. Apena com esse conceito inicial é possível perceber que esse ramo de estudo é bastante complexo visto que exige que muitas variáveis e fatores sejam levados em consideração para ter uma noção completa a respeito dessas atividades econômicas.

É necessário ainda complementar essa primeira definição do conceito de geografia econômica com um outro objetivo que apresenta que é o de entender como as manifestações produtivas influenciam o espaço geográfico. Por meio desse estudo, também é visado identificar a maneira como essas questões que o meio realiza sobre as interferências.

Com base nas análises feitas nessa área é que se permite que as relações socioeconômicas sejam entendidas assim como também identifiquem os principais fatores responsáveis por modificar o espaço geográfico.

Para que essa ideia fica ainda mais claro, basta ter em mente que as atividades econômicas desenvolvidas em certas localizadas, sem dúvida, devem ser consideradas como uma das responsáveis por modificar o meio através da criação de novos ambientes.

Isso faz com que surjam novos espaços privilegiados que, consequentemente, afetam os fluxos migratórios e interferem na política mundial, além de muitos outros fatores.

Definição

A geografia econômica é definida como o estuda da localização, organização e distribuição espacial das atividades econômicas a nível mundial. Como é um ramo que análise questões de localização, é considerado um subcampo de estudo da disciplina de geografia.

No entanto, é preciso deixar claro que o enfoque dessa área de estudo não é somente analisar as características e fenômenos espaciais, mas sim entende-los e descreve-los com a perspectiva econômica. Esse é o motivo pelo qual muitos economistas também abordam esse campo por meio das técnicas da ciência econômica.

A geografia econômica tem tomado uma variedade de abordagens para muitos assuntos diferentes, incluindo a localização de indústrias, economias de aglomeração, que também é conhecido como “ligações”, transporte, comércio internacional, desenvolvimento, bens imóveis, economias étnicas e dentre outras abordagens.

Influências

Durante a investigação desse tema, os resultados obtidos quase sempre estão bastante relacionados com a abordagem metodológica do pesquisador em questão. Logo, os teóricos que seguem a linha de pensamento de localização neoclássicos, conforme a tradição de Alfred Weber, costumam se concentrar mais em questões que envolvam localização industrial e métodos quantitativos.

Por isso, existem algumas ramificações com abordagens diferentes da geografia econômica como, por exemplo, a economia política marxistas que cresceu bastante após a publicação do trabalho de David Harvey.

Alguns economistas têm acompanhado o desenvolvimento dessa geografia como é o caso de Paul Krugman e Jeffrey Sachs.

Abordagens de estudo

Como essa área de estudo pode ser considerada uma disciplina que é muito ampla, os geógrafos econômicos apresentam diversas variações de metodologias durante o estudo dos fenômenos econômicos no mundo. Algumas dessas abordagens vem sendo desenvolvidas ao longo do tempo são:

  • Comportamental: é a abordagem que examina os processos cognitivos subjacentes ao raciocínio espacial, à tomada de decisão local e ao comportamento das empresas e dos indivíduos.
  • Crítica: linha de pesquisa tomada do ponto de vista da geografia crítica contemporânea e de sua filosofia.
  • Evolutiva: adota uma abordagem evolutiva da geografia econômica, mais especificamente, da parte evolutiva. Essa área de estudo usa conceitos e ideais da economia evolucionária para entender a evolução das cidades, regiões e outros sistemas econômicos.
  • Histórica: área de estudo que examina a história e o desenvolvimento da estrutura económica espacial. Para isso, é utilizado dados históricos e informações relacionadas a como os centros de população e atividade econômica mudam, os padrões de especialização regional. O objetivo é identificar os fatores que incentivam essas mudanças.
  • Regional: examina as condições económicas de determinadas regiões ou países do mundo. Trata-se da regionalização económica, bem como do desenvolvimento económico local.
  • Teórica: e, por fim, o último tipo de abordagem é a teórica. Esse foco de estudo tem como objetivo desenvolver novas teorias e complementas as já existentes sobre o arranjo espacial e sobre a distribuição das atividades econômicas.

Como visto essa é uma área que possui diversas abordagens de estudo. Vale lembrar que as pesquisas, na grade maioria dos casos, estão alinhadas com a linha de pensamento de cada cientista. Essa diversificação é bastante importante para o desenvolvimento e consolidação dessa ramificação geográfica.

Geografia econômica do Brasil

O Brasil ainda é considerado um pais economicamente emergente e, por isso, é de se esperara que as mudanças do ambiente espacial sejam frequentes. Esses dois conceitos estão diretamente relacionados com as questões geográficas e econômicas.

Essa ideia é fácil de ser entendida ao lembrar que o Brasil passou por um período de reestruturação recente durante os anos do governo de Juscelino Kubitschek, época em que diversas transformações espaciais ocorreram, principalmente, nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro devido à grande concentração econômica.

Como visto, o estudo da geografia econômica envolve uma série de fatores, pois são fundamentais para descrever um determinado espaço.

Comentários